ideias

powered by

O segredo da resiliência saudável

artigo ale

Em momentos caóticos, que exigem capacidade de adaptação e transformação como o que estamos vivendo, a resiliência passa a ser mais relevante do que nunca.

É bem provável que você que tenha se deparado com a palavra resiliência em  algum momento da sua vida.  Desde o século 19 o termo “resiliência” vem sendo usado, na física, como a capacidade de um material de voltar ao seu estado normal após passar um choque ou ruptura. Na  psicologia,  significa a capacidade da pessoa enfrentar situações adversas, estressantes, saber trabalhar sob pressão. Nos últimos anos o termo “resiliência” se disseminou no mundo do trabalho como um bordão, sendo uma das habilidades mais valorizadas do profissional do século 21.

A resiliência sempre esteve presente em nossa vida profissional, é uma competência importante,  ajuda a lidarmos com as mudanças e termos  visão positiva frente aos desafios. O problema é o entendimento “distorcido” sobre resiliência. A máxima de que ser “resiliente” é aguentar a pressão e  o estresse a qualquer custo, saindo ileso, é um mito.

Não é raro encontrar empresas sedentas por profissionais com “alta resiliência”  capazes de se adaptar a qualquer cenário. Por outro lado, é comum também encontrar profissionais que acabam se moldando para encaixar neste contexto, seja para manter o emprego ou para conquistar uma nova oportunidade. Isso acontece em ambientes onde o foco no resultado e a alta performance a qualquer custo são os balizadores da organização. Isso constrói ambientes onde resiliência passa a ser sinônimo de colocar o trabalho acima de tudo, criando um falso senso de comprometimento e não considerando aspectos psicológicos e o limite de cada pessoa, o que a longo prazo acabará gerando um efeito contrário.

A Kaiser Leadership Solution – que atua na avaliação e desenvolvimento de líderes – em uma pesquisa conduzida pelo seu presidente, Rob Kaiser, cita que forças se tornam fraquezas quando submetidas ao extremo. Derek Lusk, Ph.D. em psicologia de negócios e chefe de avaliação executiva da AIIR Consulting, diz que como pano de fundo deste discurso pode existir uma ideia perigosa: a pressão para trabalhar o máximo possível. “A resiliência se torna exploração quando é mal definida dentro de uma organização tóxica.”

A resiliência tem a ver com a nossa capacidade de adaptação, de como reagimos às adversidades e nossa capacidade de aprender com as dificuldades para encontrarmos soluções. Portanto, resiliência não é sobre aguentar tudo, suportar trabalhar sob pressão, excesso de trabalho, reuniões baseadas no grito, não dizer não, nem aturar um chefe tóxico.

Paula Davis – Laack, especialista em estresse e resiliência e fundadora do Stress & Resilience Institute, diz:

“Se você acha que resiliência é ser invencível e vulnerável, está errado. Ser resiliente não é tolerar tudo.”

“Há vários benefícios em ser resiliente: ajuda no desenvolvimento de competências como autoconsciência, pensamento flexível, conexão e percepção do estresse. Isso reflete em mais produtividade e satisfação no trabalho. Mas é preciso encontrar o  equilíbrio”, complementa.

Ser vulnerável não significa sinal de fraqueza, assim como ser tolerante não significa subserviência. Da mesma forma que é impossível ser resiliente o tempo todo. A resiliência precisa ser praticada com equilíbrio. O excesso leva ao esgotamento mental e físico, a falta, ao conformismo.

Indícios de que sua resiliência pode estar em desequilíbrio:

1. Apresentar sintomas físicos e emocionais, como estresse ou dores no corpo;
2. Insistir em objetivos inalcançáveis;
3. Desperdiçar tempo em tarefas sem sentido;
4. Ter tolerância demais e aceitar tudo sem contestar;
5. Ser mais duro e insensível.
Fonte: Claudia Cavallini, Consultora e Professora na HSM Educação Executiva.

Então como podemos ser resilientes “sem extrapolar”?

  1. Pratique o autoconhecimento; 
  2. Trabalhe sua inteligência emocional (autopercepção, empatia e percepção social);
  3. Lembre-se que você não consegue controlar tudo e nem tudo o que acontece está sob seu controle;
  4. Cuide da sua saúde física e mental, reserve um tempo para atividades que lhe dão prazer.
  5. Converse com pessoas de sua confiança. Por meio de outras perspectivas é possível refletir sobre as situações e enxergar novas possibilidades.
  6. Não esqueça que resiliência não é “aguentar tudo”, mas sim, a maneira como reagimos e aprendemos diante das adversidades.

A resiliência enquanto prática saudável precisa partir de nossas atitudes perante desafios. Quanto mais nos conhecemos e quanto mais reconhecemos nossos limites, mais resilientes nos tornamos.

compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email